revirando o baú

Le Petit Prince

29/02/2016



Poderia fazer uma resenha,mas o que permeia pelo livro O Pequeno Príncipe já é suficiente para retrata-lo muito bem,que particularmente para mim é um dos mais singelos que já vi.Tem sensação de nostalgia e algo bom...


Li o livro pelo primeira vez no quarto ano do ensino fundamental. Naquela época já era feliz com o projeto do meu professor em passar livros periódicos com o intuito de lermos para apresenta-los através do teatro para a turma. E o Pequeno Príncipe foi um dos primeiros, então tem gosto de infância também, aquela sensação de entrar um mundo totalmente alheio ao seu, mas que te faz querer estar sempre presente, saber mais, imaginar mais, entre outras coisas que daria três post's para eu sinalizar aqui (sim, é exagero meu rsrs),mas não anula todas as coisas boas que vi e vejo através dele.


Além do livro,gosto de todo o mundo que foi criado em sua volta ,como frases (juro que daria para ser uma filosofia,se já não é) e objetos dos mais variados tipos, acessórios entre outros...


"Devia tê-la julgado pelos atos, não pelas palavras. (…) Mas eu era jovem demais para saber amar."



"É preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas. Dizem que são tão belas..." 

Comprei o mesmo (capa dura versão deluxe) por R$ 16,90 na Fnac durante a Black Friday.



P.s: Sim, eu chorei muito com o filme!

Espero que tenham gostado


Essa tal Liberdade...

17/02/2016

Há quem diga que Brasília é um ovo (acredite,ultimamente tenho tido várias comprovações a respeito disso),há quem diga também que aqui não possuí muitos eventos, é escasso de atrações e todos aqui vive em um uma verdadeira monotonia.  

Porém,acredito que tais informações não procede (com exceção da primeira rsrs),por isso resolvi criar a tag Fotografe BSB (vamos fazer jus ao nome do blog).Onde irei fotografando eventos e lugares como uma forma de dar dicas sobre o nosso querido quadradinho (acá Brasília e suas cidades satélites).  

E nada melhor do que começar falando sobre uma exposição fotográfica muito legal que compareci ontem na Fnac (Park Shopping).Confiram:


"Em 20 fotos, Bernardo Moreira capta a sensibilidade feminina nos mais diversos ângulos, composto por cenários de vários estados brasileiros e o Distrito Federal. O fotógrafo atua há 4 anos; começou na fotografia como uma válvula de escape, um auxilio no tratamento da depressão. O trabalho de Bernardo retrata um universo muito particular que, ao mesmo tempo, remonta a transformações rápidas e profundas da juventude e denota, sem sombra de dúvida, uma maturidade, emocional e artística, consolidada."

Sempre tive apresso por lugares que apesar de estarem lotados,ainda assim trás aquela sensação de aconchego.E foi dessa forma que me senti ontem.

O evento era composto por 20 fotos que expressam o feminismo por diversos ângulos.Trabalho realizado pelo fotógrafo Bernardo Moreira,confesso que antes não conhecia nenhum dos seus trabalhos anteriores,mas fico feliz que tenha começado dessa forma.


Também fiquei feliz como tais mulheres foram retratadas,senti um certo empoderamento das mesmas, e nem foram necessário frases ou textos que demostrassem conotações feministas ou relacionadas,pois cada fotografia falava por si só,algumas singelas outras fortes demais.


E o quê eu tirei disso?

A resposta é simples: Ame a si mesma,seja com curvas,magrinha,retilínea ou não.E mais uma vez digo que fiquei muito feliz por ter ido.



O evento ficará na Fnac até Março,então fica o convite a todos.

 

Ah!
E o evento teve música também, para mais informações sobre é só clicar aqui ó.
Espero que tenham gostado.

Artemis Fowl: O menino prodígio do crime - Eoin Colfer

15/02/2016



"Artemis Fowl, um menino de doze anos, é um brilhante gênio do crime. Mas nem ele tem ideia do que pode acontecer ao sequestrar uma fada, a capitã Holly Short, na Unidade LEPrecon. Estes seres encantados não são aqueles dos contos de fadas. Estão armados e são perigosos. Artemis está confiante que pode vencê-los quando bem entender, mas eles pararam de jogar conforme as regras..."


Artemis Fowl: O menino prodígio do crime é o título do primeiro livro da série composta por oito obras de Eoin Colfer. Esse livro me proporcionou uma leitura bem dinâmica, com um espaço para imaginar um pouco mais sobre o Povo das Fadas, e a relação com o Povo da Lama, ou seja, os humanos. 

O enredo do livro gira em torno de Artemis Fowl, que embora seja apenas um adolescente, tem a capacidade de arquitetar super planos, tudo em prol de retomar a grandeza que a família Fowl tinha tempos atrás. Para atingir esse objetivo, o garoto decide capturar um membro do Povo das Fadas, pois dessa forma conseguirá ouro o suficiente para voltar a viver bem, já que há um tempo seu pai simplesmente sumiu e sua mãe. Angeline Fowl, vem sofrendo com isso.

"Tecnicamente ela era um elfo, já que fada era um termo genérico. Era também um leprechaum, mas isso era apenas uma profissão."

Do outro lado da história temos a capitã Holly Short, que é um membro da LEPRecon, a polícia das fadas, e então a primeira mulher a ter essa posição, o que faz com que ela carregue uma enorme responsabilidade para fazer jus a sua função, e passa por uma enorme pressão vindo do comandante Raiz, o qual tenta garantir que ela dê exemplo a qualquer preço. Estaria tudo bem até então, não fosse a sua capacidade de se meter em apuros, sua determinação e coragem.

Ao decorrer da trama a história de Artemis e Holly acabam se cruzando, trazendo consigo uma série de acontecimentos que envolvem muitos outros personagens dos dois Povos, com muitas reviravoltas geradas pela genial e intrigante capacidade de Artemis em fazer o que for preciso para alcançar seus objetivos (o garoto tem apenas 12 anos!), estando sempre um pé a frente de todos. Outro ponto que torna o livro fascinante é a inteligência do Povo das Fadas, com a capacidade de criarem grandes armas e instrumentos altamente tecnológicos. Unindo então o objetivo e a inteligência de Artemis ao seu jogo sujo, o Povo das Fadas precisa se reorganizar e usar todas as suas armas para conseguir combatê-lo.

Em suma, amei o livro e com certeza vou ler os outros da série. Eu adoro imaginar como seria a vida das fadas, dos duendes e dos outros seres, e essa história me fez pensar de uma forma totalmente diferente, já que eu tinha uma outra percepção sobre eles por conta de uma outra série (Em breve será resenhada!). Confesso que fiquei com uma invejinha de Artemis e queria ter 50% de toda a sua inteligência, e 50% da coragem de Holly.
   

Editora: Galera Record
Ano: 2001
Páginas: 288
- Esgotado nas lojas virtuais -

Como eu era antes de você...

12/02/2016

"Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Trabalha como garçonete num café, um emprego que não paga muito, mas ajuda nas despesas, e namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe. Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Tudo parece pequeno e sem graça para ele, que sabe exatamente como dar um fim a esse sentimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro. Como eu era antes de você é uma história de amor e uma história de família, mas acima de tudo é uma história sobre a coragem e o esforço necessários para retomar a vida quando tudo parece acabado."


Bem, confesso que ainda não me recuperei ainda desse livro (juro que não darei spoiler). Conheci o trabalho de Jojo Moyes recentemente, e fico feliz que eu tenha começado por esse livro em especial, gostei muito da forma como a história se desenvolve e também pelos momentos em que é apresentando narrativas de outros personagens mostrando assim sua visão da história, mas senti falta da narrativa do Will assim eu(nós) compreenderíamos melhor suas decisões e tiraríamos tal peso do coração.


"Ser atirada para dentro de uma vida totalmente diferente — ou, pelo menos, jogada com tanta força na vida de outra pessoa a ponto de parecer bater com a cara na janela dela — obriga a repensar sua ideia a respeito de quem você é. Ou sobre como os outros o veem."

Eu particularmente sempre tive apresso e receio por livros que de certa forma lê e dilacera nossa alma (sim, estou exagerando, mas chorei horrores com esse livro, então acredite, é só um desabafo),talvez eu tenha lido o livro em um momento em que eu estava sensível demais, mas isso não foi algo ruim já que por mais que a realidade do mesmo fosse diferente da minha, ainda assim fala de uma forma singela do amor, lembrando que isso não paira somente em um casal, e sim naquele amor que cultivamos ao outro em diferentes "posições" que eles ocupam em nossa vida, e isso me faz gostar mais do livro ainda (precisava dessa verdade).


"Seu corpo era apenas uma parte do pacote completo, algo para se lidar de vez em quando, em intervalos, antes de voltarmos a conversar. Para mim, tinha se tornado a parte menos interessante dele. "

Se tratando de Louisa você percebe o quanto a mesma é forte, mesmo que ela não saiba, até você a princípio não acredita nisso, porém com o desenrolar da história e ao vê-la se esforçando ao máximo para dar nem que seja o mínimo de animo para o Will você percebe que há muito dela em você (aqui você pode retirar o estilo bem excêntrico dela de se vestir se quiser rsrs). 

É uma verdade quase inquestionável o peso que temos ao adentrar na vida de uma pessoa, e o livro retrata muito bem isso, sempre tive essa percepção que quando eu entro na vida de alguém é quase como um furacão (no bom sentido,tá?) entretanto, nem sempre as coisas são como planejamos, podemos mudar sim um pouco do outro, mas não o suficiente, então compreendo perfeitamente o que Louisa Clark sentiu, toda a frustração e o receio que ela passou com o Will e também com seus familiares, tanto com os pais dele, assim com os dela, como se ela tivesse que se embasar em uma prepotência e ser boa o suficiente para mudar toda a situação, mas gosto também de como o livro retrata os momentos felizes, como que cada gesto por mais simples que seja pode estar completamente carregado de significados tanto para te persuadir algo bom, como também para te fazer refletir (meio que olhar a vida com outros olhos).

E foi assim, com um livro que eu não tinha nada em mente sobre o que pensar, que foi que ganhei mais um para colocar na minha lista de livros para guardar na alma.

Lembrando que em meados de Junho terá estreia da adaptação do mesmo para o cinema (já tem o trailer oficial, só clicar aqui ó ).

Editora: Intrínseca
Ano: 2013
Páginas: 320
-Versão digital no Play Store por R$ 17,90-

Não sei o real motivo,mas quando estava lendo o livro essa música da Mallu sempre me vinha na memória:



Autoras

04/02/2016


   Olá!
Me chamo Antônia Franciele,tenho 21 anos,estudante de Psicologia (cursando o sexto semestre). Piauiense por raiz,brasiliense de alma e coração.Sonhadora (até demais) encontro nos livros a paz que eu preciso.Nunca recuso um bom café (acredite,uma vez por semana eu vou em busca de uma nova cafeteria) e vivo também em busca de filmes franceses,sobre a aristocracia inglesa e cinema brasileiro.Moça leiga que tem uma câmera,que de técnica não de sabe nada,mas vive tirando fotos do pôr do sol que avista quase todos os dias da janela do seu apartamento e de flores que encontra por aí,como se isso fosse o retrato da sua alma.Colecionadora de canecas,miniaturas e poemas na sua velha agenda,também adora viajar (mas não o faz tanto como gostaria) além de amar conhecer novas culturas,pessoas e criar algum laço por aí.E é com essa perspectiva que criei esse espaço,com intuito de mostrar-lhes essas duas paixões,seja por meio de resenhas ou através da fotografia,fazendo assim com que vocês conheçam aquilo que eu amo e me faz feliz.

Olá!
Meu nome é Maria Paula, tenho 20 anos, sou estudante de psicologia e amante de uma boa leitura. Espero poder compartilhar com vocês um pouco das minhas leituras e aprendizagens, para que o conhecimento e a alegria ao conhecer uma boa história se dissemine por aí. Como eu adoro leituras de ficção, aventura e que envolvam também muito mistério, construirei minhas resenhas com base nos livros que se assemelhem a esses gêneros.

Espero que tenham gostado, e voltem sempre!